FANDOM


Esse Mordomo, Intriga
(その執事、策謀 Sono Shitsuji, Sakubō)
Capítulo71
Publicação 18 de Julho de 2012
Volume 15
Arco Escola Pública
Anterior ← Capítulo 70
Próximo Capítulo 72 →
Template: (ver) - (editar) - (discutir)

Esse Mordomo, Intriga é o setuagésimo primeiro capítulo do mangá de Kuroshitsuji.

PersonagensEditar

Por ordem de aparição:

Obs.: Personagens em itálico denota aparição em uma memória, fala, etc. de um outro personagem.

Pratos servidosEditar

Nenhum.

ResumoEditar

Com a ajuda de Soma, Ciel descobre que Maurice enviava cartões para que outros alunos cumprissem tarefas para ele. Ciel então chama Maurice até uma sala vazia, onde Maurice acaba confessando suas fraudes, que são reveladas para toda a escola através de fios ligados a alto-falantes. Ciel dessa forma passa a ser visto como um "bom menino", enquanto a reputação de Maurice na escola está completamente arruinada.

EnredoEditar

Ciel Phantomhive e o Príncipe Soma andam em um elefante, e Soma explica como foi difícil entrar na escola pois Agni não poderia vir junto com ele, como permitir servos na escola vai contra as regras. Ciel muda de assunto e explica porquê precisa de Soma. Ele discute sobre Maurice Cole e relutantemente pede a ajuda de Soma para fazer amizade com Maurice. Soma fica tocado pelo pedido de Ciel e sugere que os três comam caril juntos, mas Ciel discorda, instruindo Soma a observar Maurice e reportá-lo tão logo for possível. Ele então lembra Soma para manter a discussão deles em segredo, e Soma afirma que entende, e a dupla retorna aos seus dormitórios.

No dormitório Scarlet Fox, Soma conversa com Maurice e ruidosamente pede para Maurice ser amigável com Ciel. Maurice fica confuso, mas então recusa a proposta. No entanto, Soma não se dá por vencido, e passa o dia inteiro seguindo Maurice e se torna cada vez mais insistente em pressioná-lo a falar com Ciel. Como resultado, Maurice perde a paciência e manda Soma ficar longe dele. Ele bate a porta para Soma, que declara que ele é muito parecido com Ciel.

Subsequentemente, Soma deixa o dormitório para visitar Ciel usando o seu modo de transporte pessoal: um elefante. No entanto um tigre assusta o elefante, e Soma perde o controle disto, causando a destruição do quarto de Maurice.

Pela bagunça que causou, Soma recebe cinco Ys de penalidade por Edgar Redmond que proíbe o uso de elefantes. Como não há mais quartos disponíveis, Edgar convida Maurice para ficar no dele até que o dormitório seja reparado. Mas Soma, como alternativa, se voluntaria a deixar Maurice ficar no seu quarto, afirmando que ele é um homem que assume as suas responsabilidades. Edgar acha isto justo e permite que Maurice fique no quarto de Soma, causando um grande desespero em Maurice. Soma então acompanha o relutante Maurice até o seu quarto.

À noite, Soma é acordado de seu sono ao ouvir barulhos de movimentos. No dormitório, ele testemunha Maurice deixando o quarto, e secretamente segue ele. Ele espia Maurice a distância enquanto este deixa cartões em forma de flores para outros alunos.

Na manhã seguinte, Soma conversa com Ciel na capela para contar sobre Maurice. Ele fica chocado ao ser cumprimentado por Sebastian Michaelis, já que ele achava que alunos não podiam trazer os seus servos. Ciel afirma que não há escolhas, e Sebastian pede a Soma para manter isto em segredo, o que Soma com medo instantaneamente concorda. Soma então explica o que foi que ele viu na última noite, contando sobre Maurice postar uma abundante quantidade de cartões em forma de flores para os alunos em seus dormitórios. Ciel conclui que os cartões eram boas fontes de evidências, sentindo-se satisfeito com o relato de Soma. Ele agradece-o pela grande ajuda, e Soma deixa os dois maquinando uma estratégia. Pouco depois, Ciel afirma que eles vão resolver a questão no dia seguinte.

No dia, Ciel chama Maurice para conversar com ele na sala de artes, onde eles estão cercados por uma variedade de telas. Maurice fala com Ciel e pergunta por que Ciel chamou ele que estava sendo solicitado no Mirante do Cisne. Ciel assegura-o a não se preocupar pois a conversação deles não iria muito longe. Ciel então repreende Maurice por ter propositadamente informado a hora errada. Maurice nega isto, mas Ciel lista o nome de outros alunos que também foram convidados para o Mirante do Cisne, mas que foram informados da hora errada. Ciel diz que Maurice debruça-se sobre os mais fracos, como ele estimula outros alunos a fazerem o seu trabalho, o que leva à ideia de que as habilidades de Maurice são todas falsas.

Maurice ri disso, afirmando que Ciel não tem nenhuma evidência para provar sua teoria. No entanto, Ciel discorda e revela um dos cartões em forma de flor de Maurice. Maurice reconhece o papel, e Ciel inventa que postou tarefas escritas para sua comitiva completar a noite. Ele lê um dos cartões para provar isto, folheando sua data e hora e escrita para combinar, em que prova que Maurice é culpado.

Em descrença, Maurice lembra que havia falado para os alunos descartarem os cartões, no que Ciel explica que ele teve dificuldade em recolher as peças entre o lixo de toda a escola - na verdade foi Sebastian. Ele conta a Maurice que os bilhetes foram rasgados então levou muito tempo para juntá-los. Ciel insiste que Maurice revele a verdade a Edgar, lembrando que ele deve ser leal a ele como seu irmão de dormitório.

Todavia, Maurice se recusa a negociar, e dá um sinal para um grupo de estudantes entrarem na sala. Alguns seguram Ciel enquanto os outros reúnem os cartões e entragem-nos a Maurice. Com uma caixa de fósforos na mão, Maurice queima as cartas, comentando que Ciel já não tem qualquer prova. Ele diz que a atitude benevolente de Ciel é irritante, antes de revelar o fato de que ele estava manipulando os outros de que é uma habilidade como ele está fornecendo as pessoas comuns caso contrário com bom uso, desde que eles não podem proporcional com sua beleza. Ele retransmite seu plano de se tornar um prefeito, no que Edgar favorece-lhe mais do que ninguém.

Depois, Maurice revela um par de tesouras e rasga a camisa de Ciel antes de dar-lhe pontapés nas costelas. Ele diz-lhe que era tolo de chamá-lo a um lugar deserto, uma vez que ninguém viria salvá-lo e humilha Ciel tirando fotos dele na situação atual. Mas antes que Maurice pudesse tirar a foto, Edward Midford e Herman Greenhill entram na sala. Herman cai rapidamente com os alunos que têm Ciel em custódia, usando seu taco de críquete. Ele afirma que tinha jurado nunca usar violência, mas Maurice levou-o a quebrar a promessa. Maurice implora Herman para não dizer nada a Edgar enquanto Gregory Violet e Lawrence Bluer entram na sala.

Maurice questiona o motivo de suas presenças, e Ciel explica que eles ouviram Maurice prestes a cometer um ato de violência. Este último fica intrigado com isso, afirmando que o Mirante do Cisne é muito distante e que a voz dele não poderia ser tão alta. Ciel esclarece-o, dizendo que esse som não é transmitido pela sonoridade mas por vibrações. Ele explica que, tendo um segmento perfeitamente tenso ao anexá-lo a uma superfície plana, um seria capaz de transmitir sons para lugares distantes - como na brincadeira do telefone de copo.

Para demonstrar, Ciel agarra uma das telas e revela um pedaço de fio conectado à parte traseira. Em todas as telas na sala, os fios são fixados na parte de trás e conectados com alto-falantes em torno do Mirante, onde Edgar senta-se e anuncia que ele tinha ouvido tudo. Portanto, ele cancela a irmandade entre ele e Maurice. Maurice fica devastado por isso e começa a chorar, e Ciel, concede-lhe um lenço. No entanto, este contém uma foto do rosto sem maquiagem de Maurice, o qual está sendo copiado e espalhado por toda a escola para os outros alunos verem.

Edward e os outros prefeitos pedem desculpas a Ciel por não terem acreditado nele. Lawrence afaga a cabeça dele e afirma que Ciel é verdadeiramente leal e corajoso, e Ciel afirma que ele sempre foi contra injustiças. Enquanto isto, Sebastian, pendurado em uma janela, observa seu mestre mentiroso.

NavegaçãoEditar

CAPÍTULOS DO MANGÁ ( ver - editar - discutir )